450 BARRAGINHAS EM CONSTRUÇÃO NA REGIÃO DA FOZ

450 BARRAGINHAS EM CONSTRUÇÃO NA REGIÃO DA FOZ

A todo vapor, o projeto de recuperação hidroambiental da UTE (Unidade Territorial Estratégica) Guaicuí, promovido pelo Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio das Velhas (CBH Rio das Velhas), tem viabilizado a construção de 450 bacias de contenção, também conhecidas como barraginhas, nas margens de estradas rurais dos municípios de Lassance e Várzea da Palma. O CBH Rio das Velhas está investindo mais de R$ 940 mil no projeto que é executado pela empresa Localmaq. Segundo a contratada, até o momento foram construídas 150 barraginhas e a previsão é que até o outubro sejam finalizadas as demais.

O projeto inclui também a recomposição florestal, através do plantio de mudas, e cercamento de três nascentes, em um total de 2,4 hectares; a elaboração de diagnósticos, identificando os principais fatores de pressão, áreas de recarga hídrica e justificando as áreas de intervenção; e atividades de educação ambiental e mobilização socioambiental. “[O projeto] é uma demanda da Emater de Lassance e estruturado de forma conjunta entre o Subcomitê Guaicuí, o CBH Rio das Velhas e a Agência Peixe Vivo”, explica o coordenador-geral do SCBH Guaicuí, Jacqueson Azevedo Souza.

São três as sub-bacias da UTE Guaicuí que tem recebido as intervenções: a do Ribeirão Corrente, em Várzea da Palma, e as dos Ribeirões São Gonçalo de Tabocas e do Cotovelo, em Lassance – essa última com as obras em estado mais avançado. Segundo Mauro Célio Rodrigues, vice-presidente do Conselho de Desenvolvimento Comunitário de Palmeiras, o projeto tem uma importância significativa para a comunidade rural. “Essa obra é de grande valor porque retém as águas da enxurrada das estradas, reforça o lençol freático e protege o nosso Rio Cotovelo, que é afluente do Rio das Velhas. A comunidade toda está gostando”, conta.

O Projeto de Recuperação Hidroambiental da UTE Guaicuí foi aprovado no primeiro chamamento público de projetos do CBH Rio das Velhas, ainda em 2015. Um ano antes, porém, o Comitê já havia viabilizado obra semelhante na região. Um dos beneficiados na ocasião foi José Divino Soares, produtor rural e líder da associação comunitária de Morada Nova, que explicou o que já é observado pela população. “Identificamos muitas melhorias. Vimos que em alguns lugares a água voltou e a vegetação do entorno também”, conta.

Deletina Pinto de Almeida, presidente da Associação de Morada Nova e produtora rural, também teve cinco barraginhas construídas em sua propriedade na ocasião anterior e agora festeja outras duas que serão feitas. “É muito bom, porque a terra fica mais úmida, o que melhora o plantio. Além disso, antes, a água que descia da enxurrada entrava toda aqui dentro de casa”, diz. Embora as intervenções sejam em sua propriedade, os benefícios se estendem à toda região.

A importância da conservação dos recursos hídricos

As barraginhas são construídas com o propósito de auxiliar a coleta das águas provenientes do escoamento superficial das estradas rurais, contendo os sedimentos, evitando o assoreamento dos corpos hídricos, promovendo a recarga de água subterrânea e a conservação das estradas vicinais. Já o plantio de mudas e o cercamento de nascentes buscam evitar ou reverter processos de degradação, promovendo a manutenção da quantidade e da qualidade dos recursos hídricos. “O objetivo maior deste projeto na verdade é a mobilização. É o fato de estarmos conseguindo levar a importância da conservação dos recursos hídricos, através dos projetos hidroambientais, para os cantos mais remotos da bacia”, conclui Jacqueson.

UTE Guaicuí

A UTE Guaicuí localiza-se no Baixo Rio das Velhas e é composta pelos municípios de Corinto, Lassance, Pirapora e Várzea da Palma. A Unidade ocupa uma área de 4.136,93 km² e detém uma população de 31.581 habitantes. Esta UTE envolve a foz do Rio das Velhas com o Rio São Francisco, onde o Rio das Velhas possui 153,66 quilômetros de extensão dentro da unidade territorial. Outros cursos d’água relevantes são o Ribeirão Bananal, Ribeirão do Corrente, Ribeirão do Cotovelo e Córrego do Vinho. Destaca-se a presença da Serra do Cabral, divisor de águas entre a UTE Guaicuí e UTE Rio Curimataí.

 

FONTE: CBH - RIO DAS VELHAS