Com reúso e água do mar, Israel produz um Cantareira ao ano

Com reúso e água do mar, Israel produz um Cantareira ao ano

 

O agricultor Igal Aftaby, 55, acorda às 5h todos os dias para trabalhar em sua plantação de romãs –vista de cima, é um pontinho verde no meio do deserto de Neguev, em Israel.

“Uma década atrás nada crescia ali. “Rezávamos por cada gota”, diz ele, debaixo de um sol de mais de 40 graus. “Agora, temos água para cultivar o que queremos. Pretendo começar a plantar uvas.””

Esgoto captado nas casas de todo o país passou a ser usado na produção de água de reúso –são 450 bilhões de litros por ano, que abastecem metade das plantações. A medida faz parte de um conjunto de ações que, em menos de uma década, tirou Israel, um país com 60% de seu território formado por deserto, da crise hídrica.

Para suprir o deficit, o país passou a produzir artificialmente quase metade de sua demanda, seja dessalinizando a água do mar ou tratando esgoto. É o equivalente a mais de um sistema Cantareira (900 bilhões de litros) ao ano. A produção anual de Israel é de quase 2,2 trilhões de litros.

De soluções administrativas sem custo às mais caras, especialistas israelenses afirmam que várias opções poderiam ajudar o Estado de São Paulo a resolver a falta de água em médio prazo.

Responsável por 58% do consumo, a agricultura toma cada vez menos água potável em Israel –o país trata 86% do esgoto, usado na irrigação a um preço três vezes menor.

israel

Piscina de água de reúso em Israel; país trata 86% do esgoto e utiliza produto na irrigação

Além disso, foram construídas quatro usinas privadas de dessalinização e há uma quinta a ser inaugurada. Em sistema de concessão, a água é revendida ao governo por US$ 0,57 (cerca de R$ 1,78) a cada mil litros -valor considerado baixo.

Abraham Tenne, da Autoridade Hídrica de Israel, visitou o Brasil recentemente e diz que São Paulo teria opções mais baratas antes de apelar para a dessalinização –o investimento para uma usina pode chegar a US$ 450 milhões (R$ 1,4 bilhão), fora o consumo de energia.

“Também é preciso evitar contaminação dos rios, para não ter de gastar muito para descontaminá-los”, diz Tenne. Segundo ele, delegações brasileiras e israelenses têm conversado sobre eventuais parcerias na questão hídrica.

Israel fez do preço uma ferramenta para forçar a economia. No auge da crise, entre 2008 e 2009, o subsídio foi drasticamente reduzido e a tarifa foi aumentada em 40%.

Hoje, a população de Israel paga em média o equivalente a US$ 2,30 (ou R$ 7,20) a cada mil litros, com aumento de acordo com a faixa de gasto –em São Paulo, também há tabela progressiva, mas o preço básico para uso doméstico é de R$ 2,06 por mil litros.

O uso doméstico per capita no país é de cerca de 230 litros por dia –maior que o dos paulistas (188), mas menor que o dos cariocas (253). Campanhas, aumento do preço e distribuição de aparelhos que diminuem o gasto nas torneiras resultaram em queda de 17% no consumo.

Uma das apostas para manter essa tendência é transformar as crianças em vigilantes da água. “Quando seus filhos pedem para você fechar a torneira enquanto ensaboa os pratos, você faz isso”, afirma Uri Shor, porta-voz da autoridade hídrica.

Várias escolas também tentam envolver os alunos nos esforços para economizar. Com ajuda das crianças, o professor Ohad Reimer, 34, opera um sistema de cisternas que abastece as descargas da escola em Revohot, uma pacata cidade perto de Tel Aviv.

“Crescemos preocupados com água, mas as crianças de hoje sabem muito mais do que sabíamos na época”, diz Reimer. Na cidadezinha de casas com grandes jardins, parte dos alunos já criou sistemas de reúso, aproveitando água do chuveiro para as plantas.

Fonte: Portal Saneamento Básico