Escassez de água na região é culpa do eucalipto, diz estudo

Escassez de água na região é culpa do eucalipto, diz estudo

Quase cinco décadas depois do início de sua implantação, a monocultura de eucalipto se tornou o principal fator de deterioração dos recursos hídricos em todo o semiárido mineiro, afirma o técnico Walter Viana, responsável pela Fiscalização Ambiental na Superintendência de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (Supram) do Norte de Minas. Ele é autor de tese sobre a desertificação na região.

 

Para combater o déficit hídrico provocado pelo plantio de eucalipto, os ambientalistas defendem a proibição de novos plantios na região. Conforme o estudo, uma floresta de eucalipto consome 230 litros de água por metro quadrado plantado a mais que o cerrado. E o pior: a média histórica de precipitação pluviométrica no Norte de Minas é de 1 mil milímetros por ano, e o eucalipto, sozinho, consome 800 milímetros. Já o cerrado consome apenas 500 milímetros. Ou seja: há um déficit de 300 milímetros por ano, explica o estudo.

 

Estima-se que as plantações de eucalipto ocupam uma área estimada em 1,5 milhão de hectares no semiárido mineiro. O pedido para proibir novas áreas de plantio já foi levado ao governo estadual na Carta das Águas, um diagnóstico dos problemas ambientais do Norte de Minas.

 

O outro lado - A diretora-executiva da Associação Mineira de Silvicultura (AMS), Adriana Maugeri, disse desconhecer a existência de estudos que mostrem consumo elevado de água pela cultura do eucalipto. “Essa informação não procede de forma alguma. O estudo de que temos conhecimento revela que o consumo de água do eucalipto é como o de qualquer outra cultura, como a soja e o café, por exemplo. Também depende de vários fatores, como o tipo de solo”, argumentou Adriana, sem, no entanto, citar números.

FONTE: FOLHA REGIONAL