Falta de saneamento básico no Brasil é grande ameaça à saúde pública

Falta de saneamento básico no Brasil é grande ameaça à saúde pública

 

Saiba porque a deficiência no tratamento e destinação adequada do esgoto ainda causa milhares de doenças no país, especialmente em crianças.

O Governo admitiu, com 17 anos de antecedência, que não conseguirá cumprir a meta de saneamento básicoestipulada para o país.

Falta de Saneamento Básico no Brasil

O Plano Nacional de Saneamento básico visava atender 90% do território com o tratamento e destinação adequada do esgoto até 2033.

O mais impressionante dessa afirmação é a constatação de que o problema é crônico e histórico no país. Atualmente, quase metade da população (43%) vive em cidades sem rede de tratamento de esgoto.

O que levou o Governo a assumir a incapacidade de alcançar a meta estipulada quase duas décadas antes é o ritmo lento das obras e a falta de comprometimento das gestões envolvidas.

A justificativa do Secretário Nacional do Saneamento – Paulo Ferreira, é que as prefeituras dos pequenos municípios tem dificuldade de administrar o problema, seja por falta de pessoal especializado (técnicos, engenheiros e empreiteiras), ou por desinteresse por parte dos prefeitos.

Outro ponto notável é a significativa desigualdade entre as regiões: enquanto na região Norte cerca de 90% dos brasileiros vivem sem o serviço de saneamento básico, no Sudeste essa parcela da população representa só 17%, menor número em todo o país.

A preocupação é proporcional ao tamanho do problema: A falta de saneamento básico e rede de esgoto deixa o país ainda mais exposto à doenças.

Desde os problemas mais corriqueiros como diarreia e doenças dermatológicas, ao agravamento de epidemias que já estão preocupando as autoridades de saúde: o descaso com o tratamento da rede de esgoto aumenta as condições para a proliferação do mosquito responsável pela Dengue, Chikungunya e Zika.

FONTE: saneamentobasico.com.br