O bem de todos acima do interesse pessoal

É impressionante a forma como as coisas funcionam. Cada um pensa de sua maneira, de modo a obter o maior sucesso possível e garantir um futuro melhor para si mesmo e os seus descendentes.

Há quem se preocupe com a preservação de seu conforto e há quem queira garantir uma condição melhor de vida pra todos.

Eu, particularmente, quero as duas coisas. Só tenho uma vida, e quero fazer dessa minha existência a melhor possível.

Mas como ser feliz vendo tantas pessoas ao seu redor passando necessidades? Com tanta gente sobrevivendo ao invés de viver?

Todo mundo precisa de dignidade, todo mundo precisa do básico, todo mundo precisa de água pura, bem tratada, de comida na mesa, de esgoto canalizado, de educação e de dinheiro pra pagar suas contas.

Estou falando do simples, e esse é um pensamento que faz toda diferença quando você quer viver 40 ou 90 anos. É a qualidade de vida que temos que faz a gente viver mais ou menos.

Saneamento básico é um divisor de águas quando se quer falar em expectativa de vida. Hoje em dia, na África se vive menos e na Europa se vive mais. É desse jeito que "a banda toca". Água e esgoto tratado significa mais saúde para uma população, ao passo que a falta deste tratamento é sinônimo de doenças infectocontagiosas. 

Não quero meu abastecimento de água e meu tratamento de esgoto nas mãos do poder privado. Empresário pensa em lucro, não pensa em bem estar do pobre. Imagine a dificuldade de se tratar esgoto numa favela do Rio de Janeiro, ou em uma comunidade afastada no Pará? Se o dinheiro pago não for satisfatório, o empresário não vai fazer esforço para prestar um serviço de excelência.

Um morador de um bairro nobre teria condições de pagar menos em uma conta d´água do que um morador de área de difícil acesso, ou seja, na lógica capitalista, o serviço que demanda mais dificuldade acaba sendo mais oneroso.

O empresário está certo em pensar em seu ganho. O governo é que está errado em querer tirar sua responsabilidade daquilo que é sua obrigação.

Privatização na área de Saneamento cheira mal, e não é pelo esgoto ou pelo bueiro não fechado, mas sim pela canalhice em querer transferir pra raposa a responsabilidade de cuidar da granja da fazenda. NÃO É PRA DAR CERTO!!!!!

O que eu escrevo aqui neste post não é nenhuma novidade para aqueles que nos governam. Quem dera eu fosse mais esperto que eles. Mas o interesse maior é no ganho pessoal. A corrupção afasta o poder público do pensamento de fazer o bem pra maioria dos cidadãos brasileiros.

Algumas empresas públicas não tem dado o resultado esperado nos locais em que atuam, mas será que o problema é da gestão ? Por que será que em Minas Gerais ou em São Paulo as coisas funcionam, mas no Rio de Janeiro, por exemplo, não? 

Um abraço a todos! 

Leia também:

- CEDAE-RJ: privatização é condicionante para ajuda do Governo Federal ao Estado

- ASSEMAE: em defesa do protagonismo municipal nos serviços de saneamento

- Como reduzir gases corrosivos como o H2S nos sistemas de esgotamento sanitário

Água mineral de garrafa: os perigos da contaminação